Talk Show 4

This post follows a series that began with Talk Show and was followed by Talk Show 2 and Talk Show 3, through some years.

– Have you ever wondered about the nature of affection? How does one differentiate it from a flirt or fling, or how do you separate those from an everlasting love affair? If you ever met the love of your life, would you be awake? Is there such a thing? Is love a blessing or a curse? To answer all of those question, and to keep romantics at bay, we are glad to welcome tonight’s guest: Love, please, be kind and join us!

(APPLAUSE)

on-air

– Love, love, love, all you need is me.

– Oh, the virtues of self-centeredness. Welcome! Thank you for joining us tonight. I can assure you that our audience have been eagerly awaiting for you to show up. Love, what can you teach us?

– That’s a tough question.

– Because we have to discover the world, venture the unknown by ourselves, in order to attain the true love, the love of oneself?

– What a primer of self-helpness, you should venture into the TED business. No, pretty much the opposite. Because I have much to teach you, although you may not enjoy that lesson.

– Why wouldn’t we? Love is a major goal to most of the people. I really think that folks would do almost anything to achieve true love.

– I would like to point out that to suggest that there is such thing as “true love” implies that there is, conversely, something like “not so true love”. That feels absurd to me. Either I’m there – and then, Love is there – or I’m not. There isn’t some thing such as a half-baked portion of love. I’m not divisible, you know. I’m whole. At the same time, I’m not generic, I am precise.

– Don’t digress. Humankind longs for your touch. How would you explain such a lasting interest? Do you see yourself as a basic feature of life? Something that has to show up in order to anyone leave a meaningful life?

– There is a medieval hype that led you people through a great deal of confusion, and I would like to try to sort that out. First things first: I think its important to point out that there is a serious misunderstanding regarding my role in life. I do enjoy life. We are actually good friends –

– That’s great, maybe you could help us to get in touch with it?

– I’m actually pretty sure that Time is at this very moment sorting that out.

– What do you mean?

– Focus, dear. Despite the fact that I seriously enjoy Life, I believe that there is a grave misunderstanding about my relationship with Life itself. I am not essential to it. Although my participation is not unusual, but is rather far away from the objectives of life. I feel closer to an incident than to a milestone.

– Most people believe that finding a special one (other than Mourinho) is an important moment of life. You would say they are wrong?

– I would say that is relevant, but not in the sense that it should be pivotal, or even a guiding objective. I am more akin to a virus, or a condition that, perchance, may fall upon you people. It can happen out of the blue, or it can be nurtured and fostered with care.

– Are you describing a sort of a relationship ethos? How should one behave in order to have a healthy love life? You either are lucky or must go through great lengths to build a romance? Is this a love-approved prescription of a good life?

– I guess that there is not anything farther from what I am trying to convey here that what you just said.

– DAMN YOU, talk about tough love.

– Don’t you see that I just compared myself to a freaking virus, and you kept going through the usual, blabbing about love as a synonym of romance, interchangeable and intrinsically connected to that? Child, let me ask you this: is it possible to have love without romance?

– I guess so. The Greek had several different terms for what we today call love. Love could be fraternal, erotic, or even familial. Maybe romantic kind of love could have features of some of them, but I guess it is safe to say that some kinds of love have nothing to do with romance. How does that fit in your viral nature?

– Funny thing, I have never thought of myself as viral, or at least not as meme. Anyway, my point here is that I am not a destiny, I am in fact a condition of life-altering opportunity. And its important for me to stress that this does not mean necessarily a life-betterment opportunity. Its just a different life that appears before you at any given point. Everytime you fall in love, you fall into my domains, you are allowing me to change you. This is basic. Let us say, for instance, that you love a book. This book has this most charming character, or this most compelling worldview. From now on, these notions will be a integral part of you, like you or not.

– And when you love someone?

– Same thing. The things they do, what they adore or deplore, it will be part of your life. Sometimes it will be part of your schedule, or maybe your dreams. Or maybe – and this are the most amazing occasions – you won’t even notice how that love has affected you. I have subtly destroyed and rebuild you anew. For better or worse.

– For Christ’s sake, I was expecting to receive Shakespeare quoting sonnets, I got Emperor Palpatine instead.

– Interesting of you to mention Shakespeare. How could possibly be that a story of a couple of teenagers that live a spectacular case of summer infatuation and in the end poison themselves to death, driving little Verona into a rampage of grief, that story could be considered a lovely story? I mean, in your happily ever after sense of love, of love as a victory march. Does that even compute in your minds? That may be a love story, but it is also a tragedy, as many love stories are. Because change invites pain, you don’t know how to assess and incorporate the newness to our lives. You adjust to new people, ideas, and you find slots in your identities and schedule for some new realities that may render the delicate balance of your lives simply skewed. And I must remind you that sometimes the reason of change leaves your life, and there are marks left behind.

– What you’re saying that pain is close to love, right? Quite sadistic, isn’t it? Or even sadomasochist? We spent centuries fashioning a gazillion of stories of love, why would we spend so much effort just to deepen ourselves into a multitude of possibilities of pain? Why would we underscore these fantasies of happiness, if we are in fact opening ourselves to the fragility and, worse, the open space left by what got injected in your life and suddenly is not there anymore? What are you, a James Bond villain?

– I am not, to this day, sure of what I am, and maybe of all my peers, I am the most unsure of why I am. What I have noticed, at this point, is that folks usually carry this sense of awe and befuddlement before which they depose their lives, carelessly, everyday. Look that shiny thing, I want it to carry it in my heart, whatever a heart may be, I want to carry it with me, whatever a me may be, I want me to be it. It may be other person, an ideology, a house pet, a precious possession. I am ignorant, and that humbles me. I am myself one of the perplexed. My stories are stories of carelessness, of venturing the unexpected, and what happens next. This constant adaptation is a feature of life. I mean, not that many people try to escape it, but it takes a lot of effort to flee from your desires. And there is the paradox that that is a desire in itself.

– It seems to me pretty reasonable choice to avoid this mixture of pain and love at all costs. Life is hard by itself, without the whole brouhaha twisting your priorities and kicking your emotional stability to the moon. Is there any silver lining for us? I must confess you that my previous guests left me more optimist, while you seem to be taking your time to make sure I do not leave this interview with unnecessary hopes.

– There may be ups and downs, honey, and my role here is not to guarantee your happiness. If you’re paying attention, that is not what you should expect from me. I am here to remind you that there are shiny things that will destroy you and build you anew. This is me, and I sincerely hope you enjoy most of the new yous.

Anúncios
Publicado em Riverside | Marcado com , | Deixe um comentário

Talk Show 3

This post is the third of a series that began with Talk Show and was followed by Talk Show 2, through several years.

– Have you ever laid down for a little nap, dreamed of an unforgettable epic adventure that lasted eons, just to wake up and find out that not more than fifteen minutes have passed? How about that friend that you haven’t seen in years, and when you both meet again, you remember exactly how things were back then, kind of releasing back from an unexplainable pause. What happens that every year seems like is passing faster and faster? Maybe someday we’ll find out that January leads straight to December? To answer these and many more questions, please kindly welcome tonight’s guest: Time, join us!

*applause*

talk show 3

– Hello! Now you can safely say that Time has come for you. Not many have this pleasure.

– Well, I always thought that Time comes to everyone.

– I do, not always safely, though.

– Fair point. So, enough chitchat: let’s go straight to business. This has been a helluva year. Things moved so fast. Were you in a hurry?

– This is a common complaint I get from people, mostly those with crammed agendas, full of events trying to make the best of their time. In this sense, I believe that maybe Herrick made a mess, confused and instilled anxiety in many people’s heads.

– Herrick who?

– Robert Herrick, the american poet. He is especially famous for one funny-titled poem, “To the Virgins, to Make Much of Time”. May I recite a stanza?

– We have all the Time, literally. Take yourself, I guess.

– *Ahem*

Gather ye rosebuds while ye may,

Old Time is still a-flying;

And this same flower that smiles today

Tomorrow will be dying.

– Poignant. Is that the Dead Poets Society one, the whole carpe diem thing?

– Indeed. This chap is trying to teach virgins how to make good use of me – let’s not go there, right – and it is doing so by setting an opposition to Death. Believe me, I have never had any quarrel with Death.

– Oh, me neither, what a lovely fellow of infinite jest, of most excellent fancy. I’ve had him here not long ago.

– Certainly charming entity/concept, that’s for sure. So, when you define me by saying that either you give me importance or you shall perish, that’s pretty heavy, you know? That’s a big burden. Not only at me, that’s also unfair do Death. But indulge me and try to see as I see it. Imagine someone you hold dear, someone you love. And there is this crazy notion that you will walk up to his or her house, point a fricking gun to his or her head and say “you either love me back or die”. How about that for true love? Can anyone see that as a legitimate affection?

– I know that is a rethorical question, but I would just like to stress that is about time I invite Love over, maybe in a couple years? I wish I had done it, actually, by now. That’s a bit sad, ain’t it?

– Trust me boy, I will be there, in my due course. I will fix it. May I continue?

– Absolutely. You were saying about the gun in the head kind of love.

– Right. So this is the love I get. This is the romantic notion of living your life, as a desperate attempt to curb your incoming demise. You all know that you can’t escape me and Death, and then you run, and you make your best to live a meaningful life – which is awesome by the way – and what I get is that. Just that. And is funny because is sort of a carrot-in-a-stick scheme, where you once were walking, trying to get to the carrot. But then you were afraid, knowing that you have a limited amount of time. You have then devised a treadmill, where you can run desperately towards your carrot, because you are afraid of me. You feel tired. There are many things to do, places to see, people to know and love to feel.

– *sigh*

– But you’re not an inch closer to your carrot. You’re just closer to a permament state of anxiety and maybe a nervous collapse. You ran, and it didn’t take you any closer.

– Well, one of most pressing fears of the present day is the notion that someday you’ll wake up to find that more days have passed then are to come. That you depleted your time, you’ve been through the majority of your life experience. And I do not mean that in a nostalgic sense, but in a simply quantitative perspective. The number of hours left for you to live, at anyone’s life, go down from the moment you were born, that’s a given fact, right? I think that anxiety may not be ideal, but isn’t it unavoidable?

– You children fear my almighty powers while, at the same time, ignore my almighty powers. I am king – at least yours – because I am indeed inescapable. But I am by no means fixed, and I also am not Death. I change. I create. I present you the canvas in which you draw new lines for your own limits. I do not destroy. I maybe finish the old, but always bring you something new. I am fucking endless.

– Whoa, watch the language. I rationally understand what you say in principle, but I cannot see that translated in any practical reality whatsoever. Care to enlighten me a bit?

– That’s precisely my job, isn’t it? Imagine, for instance, that in a near future you humankind attain transcendence. That whole futurist notion that someday you fragile biological body will be disposable, and your mind will be, for example, downloadable. Your mind will be stored online somewhere.

– Alright, that’s a well stablished possible future scenario.

– So. I guess I won’t be that scary then, right? Your body won’t age, because there won’t be one. I will still be there, but not in this sense of anxiety. This whole culture of yours will have to adapt to the notion that I’m hardly the worst of your problems.

– You may be now – nothing personal.

– The principle is the same. Is just that the future will make it clearer for you, and for everyone, that the fabric of life is something other than fear. The denizens of the future may live longer, and their culture may have a different relation to me, but why can’t you live a better life, less cluttered with the urge to get to this carrot, to beat me. Why?

– I don’t know, and I really wish I did. How do you suggest we should face you, while our lives is a constant reminder, by everyone and even the nature, that Time is flying by, and maybe leaving us behind? That our parents are aging, the kids are growing. This notion that if we do not seize our days, we will be left empty, alone, miserable, drowned in failure. I understand every single word you said, but how do you expect for me to weave from those strings of thought a tapestry of life that allows me to react to ups and downs from my common days? Those boring days where nothing happens? The dismal, the bleak, the unispiring days. How to react?

– Trust me, my boy, there is not much for me to offer you beside that. I can only guarantee you that I will bring you new days, with new things. Some dismal, some flabbergasting. Some bleak, but also some shiny. Some unispiring for sure, some fiery and orgiastic. I’ve been with you when you discussed God, Death, and I will be with you talking about Love. You won’t be alone and we will see how things turn out.

– Don’t you ever get tired? I mean, of following our lives and see how and where we go, how many contradictions we fall into, how many monsters we battle and we become?

– Why would I be tired of doing the thing I was designed – or came into existance, I’m not sure – for? I am here as a harbinger of new things, and everything new is a bit new about me and a bit new about the world. I move for I am the essence of change.

– I’m very thankful for having you here, Time, it certainly added a new bit about me. I guess we’ll get back to this conversation.

– Maybe. But I’ll be here, that’s for sure, you can’t wait to see the shape of things to come. They are grand. Just watch me dance, and why not dance with me?

Publicado em Riverside | Marcado com , | 1 Comentário

There Is Absolutely Nothing Lonelier

by Matthew Rohrer

There is absolutely nothing lonelier
than the little Mars rover
never shutting down, digging up
rocks, so far away from Bond street
in a light rain. I wonder
if he makes little beeps? If so
he is lonelier still. He fires a laser
into the dust. He coughs. A shiny
thing in the sand turns out to be his.

Publicado em Persianas | Deixe um comentário

Uma pausa: Caso Suárez-Evra (com update)

Fiz um longo post sobre aspectos jurídicos do caso Evra-Suárez pra postar no blog da torcida do Liverpool do qual participo, o http://liverpoolbrasil.com/ , se alguém tiver tempo livre e paciência:

Antes de mais nada é preciso estabelecer uma linha, e que esta linha fique muito clara: Racismo é um crime terrível e absurdo, um resquício de uma grave injustiça que felizmente não é mais aceita como sendo válida na maior parte do mundo. A questão em análise não tem NADA a ver com racismo, mas com justiça e processo. Eu não conheço Luis Suárez, não sei dizer se ele é uma boa pessoa, se é racista ou não. O que eu sei são os fatos do processo, e só a ele que pretendo me referir.

Mais uma objeção: Eu sou torcedor do Liverpool F. C., e isso inclusive me faz ter certeza absoluta que o clube é muito maior que o jogador, assim como ter a plena consciência que nenhum jogador racista deveria usar a camisa vermelha do time de Merseyside. É impossível garantir neutralidade, mas me esforcei – muito – para ser o mais transparente possível, inclusive com número extenso de referências ao documento original.

Dito isso, eu acredito que a decisão é, no mínimo absurda. Eu não tenho como comprovar que Suárez não foi racista. Mas meu argumento se baseia no fato de que tampouco poderia provar Evra ou a FA o inverso.

A decisão pode ser lida na íntegra aqui, vou copiar e colar os trechos aos quais me refiro. Posso estar enganado em algum ou alguns pontos, e para abordar esses pontos espero a colaboração do leitor para contra-argumentar. Peço encarecidamente que não percam o tempo (meu e dos demais leitores do post) com comentários odiosos, tanto ao Liverpool quanto ao Manchester United e seus jogadores. Esta é uma questão técnica e devemos deixar um pouco nossas paixões de lado.

Vou utilizar o símbolo § para designar parágrafos. Quando, por exemplo, eu faço referência a (§203) estou mencionando o parágrafo 203 do relatório. Perceba que não é uma questão de páginas, mas de parágrafos mesmo. Dividi entre fatos e direitos, quem já se julgar conhecedor dos fatos pode pular logo para os direitos.

 

SOBRE OS FATOS

O contexto é de conhecimento pleno: em uma dividida na área lateral do campo, no clássico Liverpool e Manchester United disputado em Anfield, Luis Suárez dá uma entrada dura para roubar a bola de Patrice Evra (§58), capitão do time visitante. Evraficou no chão, pois a pancada fora em um joelho em que ele tem um histórico de lesões. Em outra jogada a seguir, Evra interpelaSuárez (§86) em espanhol (§87), perguntando qual o motivo daquilo. Segue-se uma troca de farpas (§86 a §96). Entre a disputa verbal houve um momento em que Suárez beliscou Evra em seu cotovelo (§95. É interessante notar que, segundo o relatório, no mesmo parágrafo, Evra só se deu conta que havia sido tocado no momento da audiência. Voltaremos a este ponto depois). Logo seguido o entrevero, o árbitro Marriner, chegou ao local da disputa para acalmar os ânimos (§101). Evra testemunhou depois ter dito ao juiz que foi insultado (§103), ao que o árbtiro não fez nenhuma referência (§105). Ao final do jogo Evra relata ao árbitro queSuárez dirigiu-lhe insultos racistas. Após o jogo a FA declara que abrirá inquérito para investigar a questão.

Há alguns apontamentos sobre as divergências sobre testemunhos do parágrafo 203 em diante. Os fatos aqui citados são incontestes. Ambos Suárez e Evra concordam com essa sequência narrativa.

A divergência mesmo é relatada entre os §86 a §96. Vou citar separadamente as duas histórias. Lembre que são três momentos: a falta na lateral, a discussão na área e a conversa após a advertência do juiz.

Segundo Luis Suárez, a sua primeira entrada foi normal. Na segunda jogada, Suárez alega ter sido interpelado por Evra, em algum comentário que ele não conseguiu entender (§88). Suárez concorda que nesse momento Evra lhe perguntou o motivo de seu chute na falta anterior (§89). Suárez diz que respondeu ter sido uma falta normal (§91). Evra teria então dito “você me chutou, então eu vou te chutar de volta”, o qual o uruguaio respondeu imitando um pato fazendo “quack” com a mão, como que dizendo que a reclamação de Evra era exagerada (§93). Após o apito do juiz, Suárez diz que Evra declarou que não queria proximidade, dizendo “Não toque em mim, sul-americano” (§104). Em resposta a isso, Suárez admite ter perguntado: “Porquê, negro?” (§104, idem). O árbritro se aproximou (§105), e depois se afastou (§107). Suárez não entendeu bem o que o árbitro disse, mas presumiu se tratar uma questão de “deixa disso” e que o juiz teria sugerido que ambos fizessem as pazes (109§). Após isso Suárez teria se aproximado novamente deEvra, falando supostamente (enfatizo que é apenas uma suposição, com base no testemunho de Luis) palavras de reconciliação e passando o braço ao redor do pescoço do jogador francês. Em resposta a isso, Evra repeliu imediatamente o uguruaio. O juiz então, provavelmente (segundo a FA, §108) observando a situação interviu novamente e pediu para que Suárez não tocasse em Evra. Aqui termina o relato de Suárez.

Agora, a versão dos mesmos fatos segundo Patrice Evra.

Na jogada inicial Evra ficou consternado pro Suárez tê-lo atingido em seu joelho, que, como já mencionado, tem histórico de lesões (§89), indo tomar satisfações com o jogador do Liverpool, em espanhol. À resposta “Porquê você me chutou?”, porém, Evra diz ter dito uma resposta diferente. O uruguaio teria dito “Porque tu eres negro” (§90). Nesse momento Evra interpretou o comentário como sendo “Because you are a nigger”, o que em português seria mais ou menos “Porquê você é preto”. Seria um sentido pejorativo. Sobre o uso da palavra “negro” falarei depois. Ao comentário de Suárez, Evra teria respondido: “Habla otra vez asi, te voy a dar una porrada”. À ameaça do francês Suárez teria respondido: “No hablo con los negros” (§92. Lembrando que Evra interpretou como sendo uma ofensa essa aplicação do termo espanhol “negro”). Imediatamente Evra respondeu com “Ahora te voy a dar realmente una porrada” (§94), ao quê Suárez teria respondido com “Dale, negro…negro…negro”, que seria como “Então tá, negro negro negro”. Em seu testemunho (posterior, frise-se), Evra disse que nesse momento Suárez apontou para sua pele, para sua cor, negra (§95), numa aparente tentativa de enfatizar seu ponto (esta é uma ilação minha, do autor do post, mas que parece condizente com o queEvra depôs sobre Suárez).

A FA nota (§99) que até este ponto, segundo Evra, Suárez teria utilizado a palavra “negro” cinco vezes: (“Porque tu eres negro”, “No hablo con los negros”, “Dale, negro…negro…negro”).

Após a discussão Evra alega ter corrido em direção ao juiz dizendo “ref, ref, he just called me a fucking black”, algo como “juiz, juiz, juiz, ele me chamou de um maldito preto” (utilizando a interpretação de Evra pro termo “negro”. Como Suárez não chamou Evra, segundo o testemunho do próprio francês, de “preto maldito”, acredito ser razoável pensar que foi um advérbio de intensidade). O juiz só respondeu pedindo para Patrice se acalmar, lembrando que estava sendo um ótimo jogo (§103). Após o juiz se afastar, Evratestemunha que Suárez passou o braço ao redor do seu pescoço, coisa que ele imediatamente repeliu. Diz que Suárez lhe disse algo de cujo teor ele não se lembra (§108).

Nos parágrafos §111 a §116 há o relato sobre os testemunhos em relação ao que se sucedeu no lance seguinte, em que Evra recebeu um cartão amarelo. Creio não ser relevante para questão, somente para destacar que o jogador francês ficou visivelmente consternado.

Além dos principais envolvidos, o relatório da FA conta ainda com depoimentos de vários jogadores.

No momento da discussão dentro da área estavam nas proximidades o goleiro do united, David De Gea, que inclusive é espanhol, Johnny Evans, e Dirk Kuyt, holandês (§98). De Gea testemunhou não ter ouvido sequer uma discussão, quem dirá um bate-boca. Kuyt, por sua vez, diz não ter ouvido o teor da discussão, somente que Evra parecia estar provocando Suárez.

Além desses, também foram ouvidos Ryan Giggs (§113-114) (na questão do cartão amarelo, somente); Valencia (§121), Hernanez (§122), Nani (§123) e Anderson (§124) (sobre o comportamento de Evra no vestiário). Alex Ferguson acompanhou Evra na denúncia ao árbitro (§127). Damien Comolli, um dos diretores de futebol do Liverpool, também se pronunciou (§136-138), especialmente sobre o que conversou com Suárez logo após o ocorrido. O técnico dos reds, Kenny Dalglish, também se pronunciou (§139-140), mas sem nenhuma informação adicional relevante.

O relatório possui ainda grande discussão sobre o emprego do termo “negro” na lingua espanhola, sobretudo na região do Rio do Prata, em que Suárez nasceu. A FA, por meio de seus especialistas, concluiu que o uso tinha um sentido racista (§179, §183 e §184), apesar de ressalvar sua construção estranha (§181-182), sendo artificial, e não natural para um falante nativo do espanhol.

Em síntese, como citado no §186:

The experts concluded their observations on Mr Evra’s account as follows. If Mr Suarez used the words “negro” and “negros” as described by Mr Evra, this would be understood as offensive and offensive in racial terms in Uruguay and Spanish-speaking America more generally. The physical gesture of touching Mr Evra’s arm would also, in the context of the phrases used, be interpreted as racist

A decisão da FA envolveu somente fatos trazidos nas alegações feitas durante o processo por todas as partes. Como declara expressamente o relatório no §216:

It is important to emphasise that the decision that we reached is that of the Commission alone, that it is limited to the Charge brought, and that it is based solely on the evidence and arguments presented at the hearing.

A despeito de ser (discutivelmente) o maior clássico do futebol inglês, não há provas de ordem visual de praticamente nada no processo. Entre as alegações, a única coisa que é provada no processo é o movimento dos jogadores e o sutil movimento do beliscão de Suárez em Evra. Somente isso. Não há qualquer relatório de leitura labial, nenhuma espécie de imagem que possa elucidar a questão. Só há um tipo de prova em todo o procedimento, fato inclusive aceito pela FA: os testemunhos apresentados pelos envolvidos. E, como já mencionado, basicamente só há dois atores que sabem o que se passou no âmago da questão: justo o ofensor e o ofendido. Somente Luis Suárez e Patrice Evra sabem o que falaram, já que não foi produzida no processo NENHUMA prova com nenhum registro de qualquer conteúdo de comentário racista. E mais, a única vez em que se tem uma razoável certeza de que Suárez fez algum comentário sobre a cor da pele de Evra foi naquilo que Suárez admitiu, ter dito “Porque, negro?” (§104). Com base nos testemunhos das partes a FA concluiu que Evra tinha um argumento sólido, e decidiu banir Suárez em uma suspensão de 8 jogos.

Além do juízo fundado nos testemunhos, a FA fez uma análise dos comportamentos dos jogadores durante seu depoimento. Enquanto Evra (§229-234) foi considerado uma testemunha impressionante (§231) por sua clareza e calma, Suárez (§235-237) foi considerado pouco preciso, sobretudo por seu péssimo inglês (§235). A favor de Evra pesou o fato de ser um jogador respeitado (§229) que inclusive capitaneou os times que joga, enquanto Suárez foi pelo menos respeitoso (§236).

Em seu relatório a FA não conseguiu ajuda substancial de imagens, como aponta no §238:

The footage was not of any real direct assistance in terms of what was said by Mr Suarez in the goalmouth. It was not possible to try and lip-read what Mr Suarez said largely because his face was obscured at the crucial moments, either because his back was to the camera behind the goal, or because his face was obscured by a camera fixed to the back stanchion.

A análise das imagens do lance é detalhada entre os §239 a §244, em que o comitê postula por meio da linguagem corporal o que foi dito na situação. Entre os §245 e §252 o relatório discute a possibilidade do beliscão (já mencionado acima) ser um ato pacífico, chegando à conclusão que era, na verdade, destinado a irritar ainda mais o adversário, como descrito no §248:

It was plain to us that Mr Suarez’s pinching of Mr Evra’s arm was not an attempt to defuse the situation. It could not conceivably be described in that way. In our judgment, the pinching was calculated to have the opposite effect, namely to aggravate Mr Evra and to inflame the situation. We infer that this was Mr Suarez’s intention. Mr Suarez’s face reveals hostility towards Mr Evra, the pinching is preceded by Mr Suarez looking Mr Evra up and down, and MrSuarez steps away having pinched Mr Evra as Mr Kuyt steps in to face up to Mr Evra.

Sobre a possibilidade de Suárez ter tentado assumir uma postura conciliatória, a FA declarou no §264 que:

The whole tenor of the players’ exchanges during this episode was one of animosity. They behaved in a confrontational and argumentative way. This continued at all times during their exchanges in the penalty area. Whilst Mr Evra is partly to blame for starting the confrontation at that moment, Mr Suarez’s attitude and actions were the very antithesis of the conciliation and friendliness that he would have us believe

E, no §266:

In our judgment, Mr Suarez’s use of the term was not intended as an attempt at conciliation or to establish rapport; neither was it meant in a conciliatory and friendly way. It was not explained by any feeling on Mr Suarez’s part that a linguistic or cultural relationship had been established between them or that the context was one of informal social relations. The video footage, when viewed in detail and when looked at as a whole, shows that the players continued their animosity throughout this incident. Their hostility is shown in their actions and demeanour before, at the moment of, and after Mr Suarez’s admitted use of the word

A despeito do fato de que, segundo os especialistas na linguagem do Rio do Prata (§265):

“in Rioplatense Spanish the use of “negro” as described here by LS would not be offensive. Indeed, it is possible that the term was intended as an attempt at conciliation and/or to establish rapport (see (ix) above).”

 

SOBRE O DIREITO

O argumento principal do comitê disciplinar da FA é que, enquanto Patrice Evra foi perfeitamente convincente em seu discurso (§268), Suárez falhou em esclarecer suas inconsistências (§267), como a do beliscão.

Para a FA, bastava comprovar que tais palavras ofensivas teriam sido proferidas para que a responsabilidade objetiva operasse (§389). Isso quer dizer, em outras palavras, que a intenção por trás do ato é irrelevante. Contanto que o ato (dizer palavras ofensivas) seja configurado, já existe motivação para punição:

We remind ourselves that the test for a breach of Rule E3(1) is an objective test. That means that it is for us to form our own view as to whether Mr Suarez’s words or behaviour were abusive or insulting. It is not necessary for the FA to prove that Mr Suarez intended his words or behaviour to be abusive or insulting. We are concerned with whether the words or behaviour were abusive or insulting when used in a football match played in England under the FA Rules

Então, bastava que isso ficasse comprovado, como a FA entendeu que se sucedeu no §392:

In total, Mr Suarez used the word “negro” or “negros” seven times in the penalty area. On each occasion, the words were insulting. On each occasion, Mr Suarez breached Rule E3(1). Accordingly, the Charge is proved.

No final do relatório o comitê aponta que o ônus de comprovação reside de fato na FA. A FA que deve provar que as ações queSuárez cometeu de fato ocorreram. Mas reconhece ainda que, por se tratar de um procedimento civil – no caso, não criminal  – não se aplicam as mesmas obrigações jurídicas. Não é preciso comprovar que houve de fato o ato, somente que seria plausível. Como diz o relatório (§453.2):

The burden of proof in this case is on the FA. The standard of proof is the flexible civil standard of the balance of probability. The more serious the allegation, taking into account the nature of the misconduct alleged and the content of the case, the greater the burden of evidence required to prove the matter.

Há várias questões a analisar na situação, mas manterei o foco em duas. A primeira seria: seria essa uma questão puramente civil? Paralelamente: somente o testemunho da parte ofendida é suficiente, para a FA, para confirmar racismo?

Por mais que a multa seja restrita às regras do jogo, e tudo tenha ocorrido somente no domínio esportivo, a alcunha de “racista”, que decorre naturalmente do fato de alguém ter cometido atos “racistas” (a despeito da FA ser enfática em dizer que não há provas que Suárez seja racista, somente que cometeu atos racistas) impõe um peso muito maior que um mero expediente administrativo. Envolve um dano considerável à honra e respeitabilidade de uma pessoa. É exatamente por esse motivo que no juízo criminal se exige certeza antes de condenar: por saber que uma condenação falsa pode destruir a vida de alguém. O princípio é muito simples: in dubio pro reo, na dúvida para o réu. Para se condenar alguém é preciso provas muito convincentes. O que nos leva ao segundo ponto.

A FA considerou a “possibilidade” de ofensa o suficiente para condenar Luis Suárez por racismo. O argumento de que se trata de uma questão de ordem civil não faz sentido, já que gera os mesmos impactos de uma decisão de ordem criminal, mesmo que sem restrição de liberdade. Nenhum testemunho de ninguém além de Patrice Evra atesta qualquer ato racista por parte de Suárez. Na única coisa que Suárez concorda ter feito, um único uso da palavra “negro”, há justificativas razoáveis para considerar que ele talvez possa ter razão (i.e. §265) – e, logo, merecer o benefício da dúvida. Ser Luis Suárez um jogador novato na Premier League, incapaz de se comunicar eficientemente em inglês, ter sido inicialmente provocado (“Concha de tu hermana”, § 87) em seu idioma natal (No qual ele tem pleno domínio e faz sentido que presuma que seu interlocutor, por ter selecionado esse idioma também o tenha), e respondido de uma forma que, ainda que tenha sido interpretada de forma pejorativa por Evra (como ele mesmo admitiu) tem uma possibilidade de compreensão inofensiva, são sinais de que o processo não foi exatamente equilibrado.

Talvez por força do crime de racismo ser tão odioso, e seu combate tão importante – a despeito do que pensa Joseph Blatter, presidente da FIFA – assim que a questão “raça” entra em campo parece que todos os comentadores pulam às conclusões e passam automaticamente a crer que o jogador precisa comprovar sua inocência. A lógica jurídica é o inverso, é justamente a acusação que precisa comprovar qualquer coisa que seja. É uma questão de inversão de valores presumir que o acusado deva demonstrar sua honestidade. E, ainda assim, a única voz acusatória é justo a da vítima. Mas Patrice Evra é capitão de seu time, um homem responsável e respeitado, ao contrário de um sul-americano famoso por ser expulso na Copa do Mundo.

Não é minha intenção vitimizar Luis Suárez. Não o conheço, não sei como ele é como pessoa ou cidadão. Mas o tratamento dado pela mídia – isso sem falar da FA, obviamente perdida no caso – é simplesmente vergonhoso. Claro que a defesa jurídica que Suárez teve durante todo  o processo também foi ridícula. Não demandaria mais que alguém com o mínimo de bom senso sobre o Direito para observar o escorço probatório e ver que, a rigor, trata-se apenas de palavra contra palavra. Toda a adução que o comitê faz é com base na capacidade de Evra de ser articulado e na incapacidade de Suárez explicar seus atos. Mesmo quando Evra sugere que Suárez adota um comportamento de infantilidade (Negro, negro, negro!) por simples pirraça, ainda assim, é aceito de forma acrítica.

Mais uma vez: somos incapazes de saber o que realmente se sucedeu entre Evra e Suárez. Suárez pode ter sido racista ou não, não há provas. Há indícios que eu considero fracos, mas cada um pode fazer seu juízo particular de credibilidade. A questão é que a FA, como instituição julgadora, inverteu todos os princípios jurídicos favorecendo o acusador. Fico curioso em saber se isso também acontecerá no julgamento do ex-capitão inglês, John Terry, que possui um vídeo em que ofende racialmente o zagueiro Anton Ferdinand. Se não usar da mesma assertividade – que eu acredito ser inclusive ilegal, dando ensejo inclusive a reparações por danos morais para Suárez (mais sobre isso no update abaixo) – para com Terry vai se confirmar o que se aparenta: que a rigidez da federação é seletiva, privilegiando times, passando inclusive por cima da honra de cidadãos e de princípios mais basilares do Direito.

 

UPDATE


“Qui croira à la justice de votre guerre si elle est faite sans mesure ?”

François de La Noue

O embrião deste longo post começou a ser elaborado assim que foi publicado o resultado do relatório da FA. A ideia era redigí-lo e postá-lo após o retorno de Suárez mas antes do jogo contra o United. Mas por compromissos da minha vida profissional acabei postergando um pouco e saiu depois do jogo. Dada a situação da abertura (e dos comunicados posteriores) achei por bem fazer mais um adendo. Peço sua paciência para ler um pouco mais. Ao final falarei um pouco sobre o tratamento que recebe hoje, na mídia e no esporte, a questão do racismo.

A situação que comento é da recusa de aperto de mãos de Suárez a Evra, na abertura do jogo Manchester United e Liverpool, pela Premier League, que gerou intenso debate internacionalmente.

Eu gostaria de aproveitar o ensejo para fazer uma breve digressão, até para retornar algo que talvez tenha ficado pouco explicado no post original. Trata-se da questão dos danos morais. No Código Civil brasileiro há a seguinte disposição:

Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo.

Parágrafo único. Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem.

Basicamente a norma diz que quem causar dano ou violação de Direito de alguém deve reparação. Mais detalhes podem ser vistos entres os artigos 927 a 948 do Código Civil. É isso o que diz a lei brasileira, na matéria civil. Já no âmbito penal, diz o Código Penal que:

Art. 138 – Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:

Pena – detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

§ 1º – Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga.

§ 2º – É punível a calúnia contra os mortos.

Art. 139 – Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação:

Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa.

Art. 339. Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente

Pena – reclusão, de dois a oito anos, e multa.

§ 1º – A pena é aumentada de sexta parte, se o agente se serve de anonimato ou de nome suposto.

§ 2º – A pena é diminuída de metade, se a imputação é de prática de contravenção.

Em síntese, dizer que alguém cometeu um crime sem prová-lo, ofendendo sua dignidade, é, ao menos no Brasil, um crime.

Como falei anteriormente, me parece evidente que numa análise mais crítica do conjunto de provas apresentado pela FA a acusação de Patrice Evra sobre Luis Suárez não se sustentaria. Se manteve num painel de particulares, mas na esfera judicial Suárez dificilmente seria condenado por absoluta falta de provas. O fato de ninguém mais em campo servir como testemunha, e nenhuma câmera mais conseguir registrar qualquer coisa que sirva de prova é mais que suficiente para dizer que se houve algum racismo, não há como provar. Frise-se: pode ter havido racismo sim. Mas diante da inexistência de prova, só podemos condenar suposições, e isso equivale a condenar também os inocentes. Por isso que no sistema penal há sempre a presunção da inocência do réu. Por issoSuárez seria inocentado criminalmente.

Provavelmente talvez seja essa a razão de Evra não ter levado sua queixa à justiça comum. Saber que lá seria derrotado. E é importante notar que o próprio Patrice como a FA se esforçaram em diversas declarações afirmando que Suárez não é racista. Apenas acusam aqueles atos cometidos de terem sido atos racistas. Acaso tivessem diretamente apontado diretamente suas acusações estariam praticamente convidando os advogados do Liverpool a processá-los, pois certamente pois é razoável presumirmos que a reparação de dano na Inglaterra é semelhante à nossa. A ação de Evra, corroborada pela FA (provavelmente o processo chamaria Evra mas seria concedido somente junto à FA. Evra não tem culpa do relatório do processo, logo não deu causa à sua suspensão nem ao seu “julgamento” como racista, ele apenas denunciou) causou grave mancha à reputação de Suárez. Nossos locutores sempre lembrarão dele como um “imbecil”, “desequilibrado” ou chavões do tipo. Quantos desses comentaristas leram o processo é uma excelente pergunta que deixo em aberto.

No futebol nacional há outro episódio semelhante, o do caso Milly Lascombe v. Rogério Ceni. No programa Arena Sportv, ao vivo, a comentarista opinou, falando sobre o goleiro:

– “Eu não consigo, por exemplo, olhar pro Rogério e deixar de lembrar de quando ele falsificou a assinatura do Arsenal [equipe da Inglaterra], porque ele queria aumento no São Paulo.

Ele forjou um documento para que o São Paulo desse [o aumento].”

Imediatamente o goleiro entrou em contato com o programa e informou seu desacordo:

– “A opinião a respeito de um profissional pode ser positiva, negativa, é um direito que todos têm. Mas você dizer que eu falsifiquei uma assinatura no São Paulo é uma coisa que você vai ter que provar

– Eu aceito ser uma pessoa medíocre, eu só não aceito ser falso. Isso eu não sou. Eu sempre fui honesto. E se eu tenho a história que eu tenho [no São Paulo], é porque eu trabalhei pra isso.”

Rogério ajuizou ação por danos morais, creio eu, e também apresentou queixa-crime por calúnia contra a apresentadora. Os extratos do diálogo foram retirados do site de Cosme Rímoli.

O goleiro tricolor, se sentindo ameaçado em sua imagem, fez o correto: pediu para a acusadora apresentar suas provas em juízo. Se você acusa, deve ter como provar. Se não tem como provar, não acusa. Diante do juízo a comentarista simplesmente não tinha o que oferecer como prova. Rogério acabou ganhando a causa, tendo Milly sido condenada a pagar 60 mil R$ em indenização, e, após pedido de desculpas diante do juiz, teve a queixa-crime retirada pelo autor.

Voltando ao incidente em Old Trafford.

A questão do racismo tende a ser extremamente polarizadora. Fica a discussão entre os opositores do racismo e aqueles que parecem defender o racismo. Essa classificação não faz nenhum sentido. O racismo é um absurdo, mas a dificuldade com a qual é tratado até hoje demonstra como permanece sendo um esqueleto no armário, não só das famílias de classe média, ou das chamadas “classes trabalhadoras”. Até mesmo os “formadores de opinião” às vezes se perdem em como reagir ao caso: como impedir o racismo persistente em nossa cultura?

Diante dos fatos expostos, eu, na posição de Luis Suárez, me sentiria dividido. Por um lado me sentiria profundamente injustiçado pela FA e por Evra, por outro me sentiria em dívida com a imagem do meu empregador e a campanha – necessária – de repulsa ao racismo. Era preciso dar exemplo, e, claro, demonstrar Fair Play: entender que no esporte há coisas muito mais relevantes e importantes que o que rola dentro de campo.

Na minha opinião Suárez estava condenado de princípio. Se apertasse a mão de Evra selaria seu status de criminoso arrependido, faria as pazes com a mídia, deixando apenas uma mancha menor em sua carreira. Mas que ainda seria uma mancha. Se não apertasse – como não o fez – receberia reprimendas públicas de todas as fontes possíveis, e reforçaria seu estigma de racista. Estigma que provavelmente o acompanhará por muito tempo. É um Ardil 22, um jogo sem possibilidade de vitória.

O que eu teria feito? Denunciado civil e criminalmente ambos Evra e a FA, pedindo que fornecessem em juízo suas provas. Lá seria (talvez) inocentado. Mas a FA seria alvo de investigação da justiça comum, algo que a FIFA proíbe. Seria criado um precedente perigoso, o de recurso à justiça comum por ato intra-campo. Parte do público teria a impressão que o racismo foi acobertado, na certa. Acirraria ainda mais os ânimos entre as duas torcidas mais vitoriosas do país.

Ou seja, ainda esse seria um resultado ruim. Não há resultado bom possível. Ao não recorrer em defesa de Suárez os advogados do Liverpool – talvez a pedido do clube, desesperado querendo que a poeira baixe logo – deixaram implícito que o clube aceita a condenação, por mais que deixem explícito o contrário. Tempos sombrios, tempos sem respostas.

Um PS: não confundam legalidade com legalismo. Exigir o cumprimento das leis não é advogar pela leniência. Racismo deve ser combatido, mas, como diz nossa epígrafe, qual é essa justiça que é feita de forma desmedida?

PS2: Tive o cuidado de pedir ajuda na revisão a alguns amigos também da área jurídica, inclusive torcedores do Manchester United. Agradeço pela cooperação especialmente a Eduardo Caixeta, torcedor fiel e, como não poderia deixar de ser, adversário fiel e grande amigo.

PS3: Como tinha dito quando o post foi escrito, vejam a justiça da FA: Terry em caso de racismo com provas, Suárez em caso de agressão sem dano

Publicado em Persianas | 1 Comentário

Induções

– Mas eu te amo!
E esse foi o princípio do término, o ocaso da civilização, o ômega, o dia em que percebi ter encontrado meu fim. Continuar lendo

Publicado em Riverside | Marcado com | 1 Comentário

Carrossel

Sempre considerei minha vida cíclica, com uma modesta variação dos mesmos temas, repleta de personagens arquetipicamente similares porém discretamente diferentes nas minúcias. Mesmo esses detalhes formavam em si outros padrões circulares, que desapareciam e mais tarde reapareciam na vida de outra pessoa a meu redor. Um carrossel com cavalinhos oscilando, subindo e descendo, girando pacientemente ao redor do meu ego. Nada mais lógico. Todos enxergam tudo mais no universo pelas lentes de sua observação – as suas causas são as mais urgentes, as dores alheias são exagero, as utopias dos outros ridículas, enquanto as nossas são simplesmente lógicas. Continuar lendo

Publicado em Riverside | Deixe um comentário

Talk Show 2

This is a follow-up from this other post, from a few years go.
 
 

– Have you ever wondered about the dark side of the moon? The shadows that lie in that far-away place that can only be reached by imagination? The dark spot in the attic, a chilling breeze just before the night dawns. When you think there is a safe place to step, but just before your feet reaches the floor you find out that that safe place is an inch lower, so you misstep. One inch of confusion with a racing heart. When you are left with something completely unknown, what is there to us? What do we gaze when we gaze the abyss? To answer those questions and many more, tonight we will receive a dear friend. Come upon us, Death!

*applause*

Continuar lendo

Publicado em Riverside | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Sob uma estrela pequenina

Kudos to @lipovetsky:

Sob uma estrela pequenina

(Wislawa Szymborska, 02/07/1923 – 01/02/2012)

Me desculpe o acaso por chamá-lo necessidade.
Me desculpe a necessidade se ainda assim me engano.
Que a felicidade não se ofenda por tomá-la como minha.
Que os mortos me perdoem por luzirem fracamente na memória.
Me desculpe o tempo pelo tanto de mundo ignorado por segundo.
Me desculpe o amor antigo por sentir o novo como primeiro.
Me perdoem, guerras distantes, por trazer flores para casa.
Me perdoem, feridas abertas, por espetar o dedo.
Me desculpem os que clamam das profundezas pelo disco de minuetos.
Me desculpe as gentes nas estações pelo sono das cinco da manhã.
Sinto muito, esperança açulada, se às vezes me rio.
Sinto muito, desertos, se não lhes devo uma colher de água.
E você, falcão, há anos o mesmo, na mesma gaiola,
fitando sem movimento sempre o mesmo ponto,
me absolva, mesmo se você for um pássaro empalhado.
Me desculpe a árvore cortada pelas quatro pernas da mesa.
Me desculpem as grandes perguntas pelas respostas pequenas.
Verdade, não me dê excessiva atenção.
Seriedade, me mostre magnanimidade.
Ature, segredo do ser, se eu puxo os fios das suas vestes.
Não me acuse, alma, por tê-la raramente.
Me desculpe tudo, por não poder estar em toda parte.
Me desculpem todos, por não saber ser cada um e cada uma.
Sei que, enquanto viver, nada me justifica
já que barro o caminho para mim mesma.
Não me julgue má, fala, por tomar emprestado palavras patéticas,
e depois me esforçar para fazê-las parecer leves.

Publicado em Persianas | Deixe um comentário

A morte necessária

Não é de se surpreender a progressiva laicização da espécie humana. Um dos maiores presentes da vida moderna foi nos trazer a inexorável certeza que a própria, tão atribulada e movimentada vida, um dia acaba.

Faça o teste: procure uma pessoa qualquer e lhe pergunte quais são suas expectativas para depois da morte. Com sorte – e confiando nas estatísticas brasileiras – você vai encontrar uma pessoa religiosa engasgando entre múltiplas respostas-prontas possíveis, todas elas tergiversando sobre o tema “Céu”. Mas insistindo um pouco mais tópico adentro, “mas lá no Céu, como vai ser?”, o riscado fica ainda mais torto.

O que poderia, afinal, um ser físico desempenhar em um ambiente metafísico? Como uma existência temporalmente limitada poderia ser desencaixotada numa dimensão definida por sua eternidade? Os textos bíblicos prometem uma existência devotada a glorificar Deus. Mas como isso seria exatamente? Um longínquo coral dos fiéis exaltando o Altíssimo, o Alfa e o Ômega, o Senhor dos Exércitos, etc etc etc até esgotar todos os títulos de potestades infra, ultra e extra terrestres. Certamente não me parece um bom programa nem para uma segunda à tarde, quem dirá para a eternidade inteira.

Mas presumamos que essa seja uma interpretação equivocada, essa de confundir e mesclar o físico e o metafísico. Vamos tentar de novo. Vamos considerar que, em nossa morte, nos afastaremos da existência material para assumir nosso lugar no imenso Estige, o rio dos mortos, com nossa essência fluindo permeando toda a existência para todo o sempre amém. Uma vez nesse corpo etéreo nós seremos despidos dos limites de nossas particularidades, compondo orquestradamente uma grande totalidade das almas celestiais. Bom, se perdermos tudo, então morremos naquele sentido tedioso dos céticos, e não é o que estamos buscando. Então algo deve persistir.

Algo precisa servir como condão, como arrimo para aquilo que somos. Se eu nunca tivesse tido mãos não sentiria falta delas se fossem tiradas de mim. São as memórias das experiências pretéritas que, junto com a experiência sensorial, apresentam-nos o mundo ao nosso redor. Na ausência de uma dimensão sensorial – já que descartamos a possibilidade de mescla entre o físico e o metafísico – tudo o que nos resta de possibilidade de fundamento para o agir são as memórias, que poderiam depender ou não dos processos químicos e elétricos que, ainda que considerados abstratos, tem origem e funcionamento claramente concretos, como regularmente nosso cérebro funciona.

Suporíamos então, ainda pelo desbravar do argumento, que seja possível que mantenhamos a consciência sem corpo ou mesmo atividade cerebral, somente com uma espécie de presença indistinta, preenchida com informações inverificáveis – já que nossa individualidade física teria sido extirpada. E o que faríamos então? Nós, ilimitados, descobriríamos afinal que é simplesmente impossível se afirmar algo diante do nada. Nós, por mais brilhantes, apaixonados, humildes, belos, perto da luz da eternidade não seríamos ninguém, seríamos como pedras que ainda que ricocheteiem no espaço sideral se fragmentando em poeira estelar, não farão barulho.

Se nossa vida fosse eterna todos nossos atos seriam contrapostos ao vazio. Aqueles breves milésimos de vida na história do universo passariam como um soluço vexatório, dando lugar a um imenso vazio. O vazio do indistinto, da inexistência de características, de possibilidades. A vida eterna seria uma condenação cruel a uma eternidade de reprises e covers após segundos de um relance de música original.

Mas a morte existe para nos oferecer uma medida de compensação. De saber que nosso primeiro beijo durará boa parte de nossa curta vida, impresso entre nossos lábios. Que nossos temores infantis nos seguirão da mesma forma, primeiro como monstros, depois como lições. Nós vivemos vidas curtas, com anos apinhados mas ainda assim tão velozes, para que possamos dar valor a um dia sequer. Aquele dia, aquele do qual muitas vezes você é refém. Aquelas escolhas que você fez. Aquilo que você escolheu ser na sua curta vida.

Nossa vida moderna nos ocupa cada vez mais. Momentos do dia dedicados ao ócio foram “colonizados” pela produtividade, consagrando nossas vidas a serem um eterno (enquanto dure) conjunto de possibilidades. Cada dia é mais valioso. Podemos viajar, conhecer, amar, destruir, conquistar em proporções épicas. E, se não o fazemos fica o som do relógio no estômago do crocodilo, nos perseguindo: sua vida poderia ser melhor aproveitada. Viva mais, nem que essa ansiedade lhe corroa como ácido.

Vivemos pouco para poder viver muito. Se vivêssemos para sempre os segundos seriam inertes e seríamos superiores que o tempo, desvencilhados da apreensão de momentos. Estamos condenados a viver uma vida de nossos significados, e morrer para que ecoem, em sua pequenez ou singular luminosidade. Está valendo a pena?

Publicado em Persianas | Marcado com | 1 Comentário

Possibilidades do impossível

A fantasia às ordens de seu mestre

Bom, no último post escrevi um pouco sobre fantasia e ficção. Na verdade eu falei mesmo sobre fantasia. A sua relação com a relidade – e a chamada ficção – é algo que eu gostaria de tratar agora.

Eu já tinha escrito 90% desse post quando tropecei neste artigo, em que o romancista norte-americano Lev Grossman suscita uma importante questão sobre a pertinência da fantasia no mundo contemporâneo. Curiosamente era justamente isso que eu queria tratar nesse post, ao explorar mais os domínios da fantasia. Recomendo a leitura do artigo dele antes, durante, ou depois do meu post, tanto faz. Questão parecida foi suscitado em outro post, esse tratando de Stardust, se é ou não fantasia. Recomendo também, nos mesmos termos do anterior. Continuar lendo

Publicado em Persianas | Deixe um comentário