Como Fazer Amigos – I

Se você riu com isso, você deve ser uma pessoa interessante.

Olá, inestimável leitor. Quer ser meu amigo?

Brincadeira, você certamente já é meu amigo. Aqui, nessa mesa de bar, você já cansou de escutar dezenas de casos de amor.  Nossa história juntos vem de priscas eras, em que o adjetivo “priscas” ainda estava na moda. Mas, nem só da sua amizade posso viver, amistoso leitor. Preciso de que alguém me pague rodadas no bar e de alguém que me dê amor eterno, e sei que isso é muito pra você, empenhado leitor.

Como você não deve saber (se não me seguir no twitter, @w_artur, #fikdik), estou passando as férias no paraíso tropical vulgarmente conhecido como Natal – RN, e mais apropriadamente denominado de Minha Casa. Nesta terra em que jorram leite e mel da minha despensa, posso finalmente encontrar descanso e apoio após esse semestre dos infernos que, felizmente, pra mim, não pra ele, pressuponho, é finado. Com o ocaso do semestre, pude retornar ao lar e às maravilhas do almoço caseiro, do ar-condicionado e dos restos de ontem que REALMENTE SÃO DE ONTEM. A vida me sorri.

Mas nem tudo é fantasia na terra da alegria. Ocorre que meus amigos, fiéis amigos de fé e irmãos camaradas, simplesmente resolveram viajar – ou se mudar daqui, pústulas – abandonando-me à minha própria sorte, que, como você, se confiável, leitor, deve, capciosamente, entre muitas vírgulas, lembrar, não é exatamente, como eu poderia dizer, confiável. Ao menos não tanto quanto você, honesto leitor.

Encontro-me então, sozinho, (ou junto com meu amigo @heystella, igualmente perdido nessa situação inclemente), numa bela cidade, mas sem amigos. Sem amigos não há vida, dirá alguém sem vida e sem amigos. Como eu quero ter uma vida, e creio que o cara sem amigos e sem vida possa ter lá um fundo de razão, o que talvez não soe como uma boa idéia, mas enfim, é o jeito, resolvi FAZER NOVOS AMIGOS.

Aproveitando o ensejo, sempre ele, resolvi fazer uma série de posts sobre A ARTE E CIÊNCIA DE COMO FAZER AMIGOS. Tudo o que você procurava, mas jurava que nunca ia achar, provavelmente não achará mesmo, desculpa, eu não enxergo muito bem, não posso te ajudar muito nisso, especialmente entre tantas vírgulas, elas me deixam muito perdido. Mas as coisas que você não espera, elas não fazem diferença mesmo. Imbuído por esse sentimento, embarque comigo nessa jornada carismática rumo à epítome da relevância social, com várias paradas no mundo real, que é, afinal, onde eu vivo, sem a menor ilusão que eu vá ficar uma pessoa sociável, já que, francamente, não tenho paciência pra tanto.

Mas subsiste uma questão sincera: como se faz amigos hoje em dia? Nessa vida de internet, de interconexão semi-borg, de internet 3G, de Google Wave (why, God, why?), de Heroes (why, Tim Kring, why?), de Twitter (why, @OCriador, why?), como se conhecem pessoas interessantes? Você tropeça (literalmente) em alguém na rua e pede o Lattes? Você chega em alguém na balada perguntando “Freud ou Lacan”? Você saca um “Changemen ou Flashmen”, assim, à queima-roupa, sem nem um drink preparatório? Você pergunta “Qual sua banda favorita?” correndo o risco de receber um Pink Floyd ou um Calypso no mesmo fôlego? Como, hoje em dia, em que nós nos encontramos tanto, de forma tão escancarada, sem privacidade, sem mistérios, nós conseguimos ver quem nós somos através das imagens que queremos mostrar? Quem nós somos quando ninguém está olhando?

Investigativo leitor, sinto que é uma missão árdua que me aguarda. Aguardo sugestões, e veremos até onde seguiremos, a seguir. Seguiremos a seguir. Tosco. Veremos aonde o vento nos leva. Brega. Whatever, vamos até onde der, cacete, em busca da verdade investigativa, da amizade como ela é. Fim.

Anúncios

Sobre Wagner Artur Cabral

filosofia política e futebol
Esse post foi publicado em Persianas. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Como Fazer Amigos – I

  1. ullissima disse:

    Boa sorte com a sua pesquisa antropológica! De minha parte, acho dificílimo dizer uma coisa dessas… já que não sei porque as pessoas ficam minhas amigas… não faço muito esforço pra isso pq sou uma moça tímida! kkkk

    E nesses tempos virtuais, acho uma dificuldade enooooorme transportar os amigos virtuais pro mundo real… vou te linkar no meu blog…

    @ullissima

  2. Mirian disse:

    Não sei o que significa a imagem supra, mas achei bonitinho – gosto da estética do Mario Bros :-)

    Aguardo ansiosa pela série. Não acredito que vá fazer bom uso dela – a anti-sociabilidade é estilo de vida, praticamente.

    Pretendo – ainda – te visitar.

    You are not alone. Sai dessa internet and go, bitch! I mean, go to the beach :-)

  3. Agatha disse:

    Creio que amigos são a magia de um encontro de sintonias, sabe-se lá como.
    Bem podemos eu e você dizer isso, não? ;)
    Não sei como funciona entre vocês tão mais amistosos do que nós, mas aqui, só a consideração de sorrir para a pessoa e perguntar se está tudo bem é suficiente para se fazer um amigo, como você fez comigo! :)

    ps. haha, gostei do final do comentário acima do meu! :P

  4. Daniel disse:

    Nem precisou perguntar e o google já respondeu (é o que aparece pra mim, aqui, entre o post e os comentários):

    Ads by Google
    Programa Amigo Real
    Cada ano que passa fazemos amigos. Seja também um amigo Real. Conheça!
    BancoReal.com.br/Amigoreal

    Aliás, Google Ads?! no teu blog?!

    Bem, falando sério, há uma chance razoável de passar alguns dias aí em Natal, entre o Natal (que paradoxo!) e o Reveillon, então… Imagino que suas férias sejam bem maiores, mas pelo menos um dia, por mim, tá garantido aquele tradicional programa sem noção (e sem rumo) :P

    P.S.: Putz, tempestade elétrica aqui do lado. Deus abençooe Benjamin Franklin pelos pararaios (ah, sinceramente, não sei ainda como tão se escrevendo essas coisas depois da reforma)

    P.S.2: Muito embora vá dar a você meio centavo de dólar ou coisa do tipo, pode deixar que eu clico no anúncio.

  5. Daniel disse:

    Ok, há divergêngias entre dicionarista quanto ao hífen em para-raio/parraio (só caiu o acento diferencial); o abençoe saiu com o “drobado” desnecessário.

    http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2351074.xml&template=3898.dwt&edition=11402&section=1003

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s