Trincheiras

Wagner Artur

Acalme-se. Você ainda vai viver mais, rapaz. Não vai ser com essa bala que seus vão ter um ponto final. Isso, segure assim, estanque o sangue, bem forte. Segure nessa posição, não mova o braço, em alguns minutos vai parar de sangrar. É, meu velho, aposto que você deve estar se perguntando o que fez pra merecer a morte numa guerra que não é sua… Não se preocupe, eu também fui atingido certa vez, numa batalha em um campo a norte daqui, a algumas semanas, e como você pode ver, estou bem o suficiente pra fazer piadas a respeito. A melhor parte em estar perto de alguém ferido assim é poder fazer monólogos entediantes, e ter certeza que não vai ser interrompido. Calminho, garoto, rir não é bom pra quem está na sua situação, ainda mais, não foi tão engraçado. Mas é sério, esse tipo de coisa traz muitos questionamentos, não é verdade? Por certo você deve estar imaginando que esta não é a melhor hora pra eles, no meio de um fogo cruzado, mas eu te digo que é. Por que não seria? Estamos nós dois, de camarote observando a uma tragédia da humanidade. A propósito, me perdoe a indelicadeza de não me apresentar, mas sinceramente, eu acho que a minha identidade é irrelevante. Esse é um detalhe interessante, por sinal. Somos dois soldados, lutando uma guerra que não é nossa. Como assim, não é nossa, você deve estar perguntando… Não é nossa, oras bolas, não fomos eu e você que decidimos tirar vidas por dinheiro, que decidimos que motivos materiais valem mais que vidas alheias. Disso eu tenho certeza, não é verdade? Não passamos de números, de frentes armadas dispostas a dominar nossos oponentes para alçarmos nossos objetivos. Por dominar entenda matar. Gostemos ou não, é isso o que fazemos, não é? Matar. Somos assassinos, nada mais que isso. Você pode dizer, estamos defendendo nosso país. Mentira, não precisamos matar para isso. Não necessariamente. Você sabe disso. Ainda mais, não estamos em casa, nem eu nem você. Não estamos defendendo nossos lares, nossas famílias, estamos defendendo o poderio alheio, de pessoas que dizem serem nossos chefes… É amigo, é duro. Aqui estamos, em um campo sujo de sangue, de nosso sangue… Num ritual macabro que já aconteceu milhares de vezes, e que ainda acontecerá milhares de vezes mais. Deixa eu dar uma olhada no seu ferimento… é, está estancando, mas continue pressionando. Sabe, eu me pergunto qual é a razão disto tudo. O ser humano é a única criatura que mata por ideais. Imagino que seja um dos preços da racionalidade. Pois todos os irracionais, como dizem, se mantém longe dessa bagunça estapafúrdia. Logo, eles sim, são os racionais. E nossa sabedoria, nosso conhecimento, não é usado como fonte de vida, mas de morte. Antes fôssemos como os outros, irracionais, ao menos na nossa irracionalidade respeitaríamos a vida. Acho isso muito engraçado. Engraçado como essa própria situação, você não concorda? Você deve estar se perguntando como eu vim parar aqui, se eu sou contra isso tudo. Pelo motivo que leva a humanidade ao céu ou ao inferno… o amor… ou a falta dele. Não preciso entrar em detalhes, mas digamos que a falta de amor de uma certa dama me fez incorporar no exército. Eu adoraria perguntar seus motivos também, mas acho que você não adoraria responder. Calma, lembre-se o que falei sobre rir? Mas como eu ia dizendo, é mais ou menos essa minha história. Um indivíduo sem passado, e por causa dessa guerra, sem futuro. Você deve estar se perguntando o motivo de eu estar aqui com você esse tempo todo, e não lá lutando pelo meu país. Não é covardia. Eu só não quero matar. Me recuso. Eu amo de uma maneira forte demais pra admitir que eu possa encerrar o amor de alguém. Por isso ou graças a Deus por aquele sujeito. Aquele que me deu esse tiro. Não consigo mover minhas pernas, e mesmo que tentasse me arrastar, sei que não iria longe. O máximo que posso é ficar aqui, e compartilhar contigo meus últimos momentos de vida. Vejo que seus amigos já estão chegando. Eles provavelmente vão salvar a sua vida e encerrar a minha. É colega, poderíamos ter sido bons amigos, se estivéssemos do mesmo lado da moeda. Mas não estamos. Faça-me um favor, guarde na sua memória esse dia, e seja um homem melhor, viva mais, ame mais. Faça isso por nós dois. Faça isso por nós três. Por mim, por você, por a minha amada a quem eu disse adeus naquela ensolarada tarde de verão. Estou indo encontrá-la agora, e sugiro-o que faça o mesmo. Afinal, tem coisa melhor na vida que amar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s